2°: Borboletas na barriga


  

  O ano letivo tinha acabado de começar. Ela entrou no colégio prometendo a si mesma que seria uma menina diferente em tudo.
  Prometendo-se que seria mais fria e vazia. Que não deixaria ninguém se aproximar demais para não magoar as pessoas.

  Não deu muito certo. O primeiro menino que apareceu e foi gentil com ela, acabou gostando. Acabou se mostrando de verdade. Mostrou seu lado meigo e chorão.
Seu lado triste e carinhoso.
Mostrou seu lado menininha de ser.
E acabou sofrendo.

  Mas tudo que a vida nos dá, ela pode nos tirar e depois dar algo melhor ainda, ou pior dependendo do que se passa com o destino.

  Então.....

  Num dia de chuva aonde a tristeza andava ao seu lado.
A menina aparece de repente numa casa que, de longe parece não ter ninguém, mas um menino alto e moreno, de olhar profundo aparece e abre o portão.
  Mas ele não abriu a portão para ela, mas sim para um menino que foi chamá-lo. Nenhum dos dois estavam vendo-a mas ela os via perfeitamente.

  Conhecia os dois, mas um era de longa data, mais ou menos uns quatro anos atrás.

  Eles conversavam e conversavam e ela não prestava muita atenção, apenas os observava e tentava chamá-los a atenção, até que um menino vai embora e o outro leva-o até o portão. Enquanto isso a menina senta no chão, cruza as pernas e espera-o.

  Ao voltar, o menino de longa data, senta-se no chão e não percebe que está de frente para a menina.

  Ela acaba decidindo levantar a sua mão e encostá-la na dele.

         Até que...
  
  O menino olha para frente como se soubesse que ela estivesse ali.

  Seus olhos ficam enormes e seu coração acelera. A menina levanta assustada e sai sentindo em seu corpo uma das melhores sensações a serem sentidas.

  Enquanto ela saía ele olhava em sua direção como se estivesse vendo-a enquanto sente uma sensação nunca sentida em seu corpo.

Nenhum comentário

Postar um comentário