Falta...






 E onde está agora? Meu telefone não está tocando mais. E quando toca, não é você. Eu sinto falta sabia? Digo, de nós, do que éramos, você se tornou uma droga viciante, e como todo viciado, eu nunca irei sobreviver com essa abstinência de nós. Sinto falta do seu hálito fresco fazendo cócegas no meu pescoço, sinto falta de mergulhar no mistério dos seus olhos ofuscantes. Sinto falta da tua voz, do teu cheiro, do teu jeito errado de dizer as coisas certas, sinto falta do teu caminhar, sinto falta desse sentimento de vazio que me tira do sério, sinto falta de você sussurrando no meu ouvido, sinto falta de sentir sua falta e esperar você chegar pra vir conversar comigo. Sinto falta de ir procurar você, e ir falar contigo. Sinto falta do que iríamos ser, ou sonhávamos em ser. Sinto falta do que costumávamos ser. Pode-se dizer que sinto falta até mesmo das brigas, dos gritos, das lágrimas. Sinto falta de segurar a tua mão quando sentia medo, ou frio. Mas, eu não deveria sentir nada disso. Eu que desisti, não foi? Eu que fui embora sem aviso prévio, eu que te machuquei. Eu que te fiz sofrer, te decepcionei. E quebrei todas as tuas expectativas ao não ser o que você mais esperava. Desculpe-me por isso, desculpe por não ter dito ‘adeus’. Por ter ido sem avisar. Você sabe eu odeio despedidas, odeio qualquer coisa que me faça ir embora, e eu não suportaria dizer-lhe um adeus se quer, doeria mais que o suportável. Perdoe-me. Mas, e se eu dissesse adeus, sei que olharia nos meus olhos e me pediria para ficar, e eu ficaria. E ficar, seria outro erro gigantesco. Não suporto. Não consigo e não sei como viver com essa falta de você, sem a sua presença. E não aguentava mais toda aquela dor inquietante, que você inconscientemente, provocava. E você sabe como eu sou, não sabe? Sim, eu sou egoísta. E não iria suportar te ter pela metade, não te ter por completo. Então, você sabe o quanto odeio metades, e irei te repetir isso quantas as vezes for preciso. Sou egoísta, já lhe disse. Confesso que o teu amor me fez louca, complexada, e me fez tornar-se estúpida. Me fez desistir, a empinar o nariz e dizer “foda-se”. E eu, pensava que você precisava de mim, assim como eu precisava de você. Pensava que nunca iria me abandonar e nunca iria me deixar partir. Mas o amor me enganou também. O amor não me ensinou que as pessoas podem aprender a viver sem outras, substituindo-as. O amor não me ensinou a como te substituir, como preencher o vazio que você deixou. E o amor não me ensinou a viver sem você. Eu queria olhar bem fundo nos teus olhos e te perguntar se o que eu fiz, foi certo, e queria que me respondesse que tudo irá ficar bem. Mas a verdade é que nada vai ficar bem. Eu não posso mudar o passado, muito menos o futuro. Mas não consigo evitar, o passado me assombra. Porque me faz lembrar você, me faz lembrar nós. Eu acreditava que poderia viver sem você, sem nós. Agora percebo que, talvez, eu nunca te supere por inteiro. Mas creio que não existe o tal para sempre que tantos falam, certo? Ou talvez eu só queira me convencer de que não existe. É tudo tão confuso, tão embaralhado. Meus sentimentos estão perdidos, e no meio dessa confusão toda, o meu coração chora. Ele grita por você, pelo seu toque, pelos seus beijos. Mas eu não vou voltar atrás, não vou regredir e dizer que sinto tua falta, porque você riria de mim, riria das minhas atitudes tolas, e riria por ainda amar você. Mas eu só vou seguir em frente, como eu sempre fiz, sorrindo, brincando, vivendo, ignorando essa dor e tentando te esquecer, e tentando passar despercebida por essa falta que você me faz. Sei que outras lhe faria mais feliz, mais completo, mas você é o único que me faz sentir assim. O teu toque é o único que conheço, o teu beijo é o único que vale a pena. Lábios doces que sempre tiveram aquele gosto de menta, hoje já não me tocam mais. Eu fico insistindo pra te ter aqui, porque no fundo eu desejo que o seu lugar sempre seja ao lado do meu. E quando eu te vejo partindo, se afastando de mim, minha vontade é gritar ‘volta aqui, seu lugar é comigo’. Mas temo de gritar isso, e você continuar andando, como se eu fosse apenas uma velha lembrança que insiste em ficar no teu ouvido. Ficar com você é algo terrivelmente complicado, brigas e discussões são tão constantes, que as vezes ficávamos calados só para não destruir o momento. Você é um erro, sim. Um erro que eu cometeria todas as vezes que aparecesse em minha frente. Porque eu sempre lhe confessei o quanto sou atraída por frustrações. Somos a maior frustração da minha vida. Daríamos certo um dia, mas não hoje. Eu grito por você, mas você só sussurra que é melhor assim. Eu não sei o quanto consigo suportar sem ti. O meu limite está perto. Sei que as lágrimas já não caem tanto, mas a dor aumenta a cada dia.  Eu sinto muito por ser assim. Cada célula do meu corpo te queria também. Mas parece que para você é mais fácil ignorar a dor que causa em mim, do que entender o quanto necessito da tua presença. Ainda preciso do seu sorriso. Ainda desejo o seu beijo. E infelizmente não sei o que fazer para que tudo isso passe. Apesar de achar que nunca vai passar.

(Via Tumblr)

Nenhum comentário

Postar um comentário