15° - Orgulho...


  
  E ela parou para analisar aquela “choradeira” toda dele. Não tinha motivos. Ele gostava dela? E daí? Ela disse desde o começo como seria. Não tinha paixão, apenas beijos e carinhos, então porque ele ficava daquele jeito? Não tinha motivos, ou tinha?

  Ela só teve que ir embora, nada demais. Ela tentou, sabe, tentou ser carinho e fazer com que ele parasse com aquela manha, mas não deu. Ela ficou quieta. Fria? Estava quase lá.

  Mas algo, que eu não sei o que deva ser, não a deixou ignorá-lo. Paixão? Sabia que não era. Apenas não queria magoá-lo porque sabia que com todo o orgulho que criara acabaria sendo muito ruim com ele e isso doeria. Ela já sentira isso? Muitas vezes.

  Então ela apenas escreveu palavras confortadoras para que aquele rosto de tristeza saísse, mesmo que o sue orgulho que criara a fizesse ser fria como de costume. Não o fez. Ela sorriu? Mais ou menos. Ela tentou esquecer, mesmo que a raiva a consumisse de tal maneira tão assustadora que ela resolveu escrever.

Nenhum comentário

Postar um comentário