Sentimento aflorado...




“Ela quieta demais enquanto ele não parava de falar e rir.
Ela o olhava com uma carinha inocente, enquanto ele apenas sorria contando suas histórias...
O clima tava gostoso, o dia tava nublado. O sol ameno e nenhum frio a espreita.
Eles caminharam algum tempo e pararam em uma espécie de jardim.
Ela olhou em volta e sorriu.
Amava ir a esses lugares para não fazer nada..
Apenas, quem sabe, olhar para o céu cinzento e ouvir os pássaros.
Mas aquele dia estava fora do comum...
Ela olhou o céu e o ouviu falar.
Percebeu que amava a sua voz.
Amava a sua risada.
Amava o seu jeito louco de lidar com as coisas.
Ela passou o tempo todo calada, até então que se calou e ela subitamente olhou-o fazendo uma feição de dúvida. De o por quê ele teria parado de falar.
Ele apenas sorriu.. Ela amou aquilo.
E finalmente sua voz foi ouvida por ele.
Ele ficou feliz.
A ouviu. A fez sorrir.
E que sorriso lindo ela possuía para deixar apagado na maior parte do tempo.
Conversaram, sorriram, ouviram os pássaros e fizeram de tudo para não dormirem naquela graminha embaixo de um coqueiro.
Mas se tornou impossível...
Ela sentiu carinhos em seus cabelos... O cafuné mais gostoso que havia sentido.
Sorriu e permitiu que continuasse.
Ali, deitados na grama...
Ela em seu colo e ele encostado na árvore.
Enquanto ele falava e lhe dava cafuné, ela sorria e ficara feliz apenas por estar ali.
E envolta nada mais existia além de um sentimento sendo aflorado.”

Nenhum comentário

Postar um comentário